O PROJETO TEATRO ESCOLA VAI VIRAR DOCUMENTÁRIO SENDO MODELO DE REFERÊNCIA NA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR

A produção é de alunos de comunicação da Ucsal e pretende destacar a relevância social e cultural do projeto. 

 

Teatro Escola, projeto pioneiro na formação artística de jovens afrodescendentes e afroindígenas, vai virar documentário pelas mãos de alunos dos cursos de Relações Públicas e Publicidade e Propaganda da Universidade Católica do Salvador (Ucsal). Através de depoimentos dos professores e alunos do Teatro Escola, a produção vai destacar a metodologia de ensino inovadora do projeto, que busca desconstruir o formato de aprendizagem dos alunos,  além de apresentar a sua estrutura física e organizacional.

 

Sob o tema ”Um olhar artístico na pedagogia contemporânea”, o roteiro busca destacar a importância de apoiar iniciativas como o Teatro Escola, que tem como objetivo principal a formação de jovens nas áreas artísticas e culturais na capital baiana. O documentário começa a ser produzido ainda neste mês, sendo apresentado até o final do ano na Universidade e em seguida lançado nas redes sociais.

 

Teatro Escola

Localizado no Teatro Jorge Amado, um dos principais espaços de Salvador, o Teatro Escola é uma idealização do diretor artístico do teatro, Nell Araújo. O projeto foi lançado em 2017 e já contemplou mais 300 jovens na faixa etária entre 16 e 24 anos, de diversas regiões da capital baiana e Região Metropolitana. A grade artística da escola é formada por seis cursos profissionalizantes, sendo esses; Teatro, Dança, Fotografia, Maquiagem, Produção Cultural e Iluminação Cênica. Além das modalidades artísticas, a grade curricular do Teatro Escola também oferece 11 disciplinas extracurriculares voltadas para cultura afro brasileira, história e política.

 

Itáu Cultural

 Através do Teatro Escola, o Produtor cultural Gestor Artístico do Teatro Jorge AmadoNell Araújo, foi um dos 30 gestores escolhidos para a Especialização em Gestão Cultural Contemporânea: da Ampliação do Repertório Poético à Construção de Equipes Colaborativas, Itaú Cultural, em parceria com o Instituto Singularidades. Durante a seleção, Nell apresentou o projeto que utiliza os conceitos da Pedagogia do Oprimido e da Pedagogia da Autonomia.

 

A iniciativa do produtor foi uma das mais notáveis entre os inscritos e rendeu ao Gestor uma bolsa para a especialização que é reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). O curso, que tem duração de um ano, busca complementar à formação dos gestores a partir da ampliação de seu próprio repertório. Desde agosto, as atividades estão sendo ministradas em quatro lugares do país: no Itaú Cultural (São Paulo/SP), no Teatro de Contêiner Mungunzá (São Paulo/SP), no Condomínio Cultural (São Paulo/SP) e na Fundação Casa Grande (Nova Olinda/CE).

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*