Espetáculo “Auto da Barca de Camiri” estreia no Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia)

Primeiro espetáculo de rua da universidade LIVRE do teatro vila velha, trabalho tem texto de Hilda Hilst e marca a estreia dos artistas Vinicius Bustani e Erick Saboya na direção

 

Estreia no dia 28 de agosto de 2017, abrindo o Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia), a peça “Auto da Barca de Camiri”, escrita em 1968 por Hilda Hilst (1930-2004), considerada uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século 20. As apresentações acontecem na Praça do Campo Grande, nos dias 28, 29 e 30 de agosto, e, na semana seguinte, ocupam o Passeio Público, nos dias 4, 5 e 6 de setembro, com horário de início do espetáculo sempre às 17h e um “ato poético” a partir das 16h.

 

Mais novo trabalho da universidade LIVRE do teatro vila velha, a montagem é um marco para o programa de formação de atores e atrizes do Vila: é a primeira criação artística feita para a rua e também a estreia de dois dos seus artistas na função de direção: o cenógrafo Erick Saboya, colaborador da universidade LIVRE desde a montagem de “Romeu & Julieta”, dirigida por Marcio Meirelles em 2016, e Vinicius Bustani, ator formado na primeira turma do programa.

Na peça, dois juízes da capital chegam a uma cidade do interior para a elaboração do auto de um processo investigativo sobre um misterioso homem que muitos declaram ter poderes milagrosos. Para tanto, recebem testemunhas que afirmam ter presenciado, ou não, feitos extraordinários oriundos do tal “Homem dos Milagres”. A autora, Hilda Hilst, se inspirou na morte do revolucionário Che Guevara em 1968.

“Esse homem que ninguém sabe e ninguém vê representa o espírito revolucionário do povo”, explica Vinicius Bustani, que, enquanto integrante da LIVRE, protagonizou montagens como “Hamlet” e “Sete Contra Tebas”, dirigidas por Marcio Meirelles, e retornou recentemente de estágio no Théâtre du Soleil (França). “A gente se inspirou muito no Teatro do Oprimido [método criado pelo teatrólogo Augusto Boal], no teatro como uma arma política, ideológica e social. A nossa proposta foi unir o ideal socialista da Hilda com o pensamento dessas correntes de teatro social, e jogar isso para o público, não para o privado”, conta Erick Saboya, que venceu em 2014 a categoria especial do Prêmio Braskem de Teatro pela cenografia da peça “A Bundade Simone” e assinou, já em 2017, os cenários das peças “A Besta” e “Luzes da Boemia”, da LIVRE, além das cerimônias de entrega do Prêmio Braskem de Teatro e do Prêmio Caymmi de Música.

“Por ser um projeto ambicioso, decidimos formar uma equipe volumosa, que trouxesse profundidade ao trabalho”, destaca Erick. O time de colaboradores do novo projeto contou com Edson Migracielo como dramaturgista, Vanda Cortez no treinamento de rua, Ian Cardoso como diretor musical, Tiago Ribeiro no design das máscaras, além da participação do diretor Daniel Guerra como consultor cênico e de Bia Simões, Carla Leite e Ariel Oliveira na preparação física e corporal.

 

Neste trabalho, a rua é cenário e também laboratório de pesquisa e experimentação. Durante três meses de trabalho, foram diversas as investidas no espaço urbano, extrapolando os limites da sala de ensaio e abrindo o processo para interferências da cidade e seus personagens. “Estar na rua é uma experiência única. Pensamos em como ser receptivos para transformar cada estímulo, formatando uma proposta que usasse a própria realidade como um modo de construir uma vivência estética. Inclusive a cenografia, aqui, é uma resposta ao meio, uma tentativa de pensar uma cenografia que tirasse partido desse estímulo que já existe, daquilo que é real e está”, comenta Erick.

 

Durante a temporada, as intervenções na rua acontecem como um prólogo do espetáculo. “É o que chamamos de ato poético, os atores chegam cerca de uma hora antes, se instalam em um ponto no espaço iniciando uma performance que tem como objetivo mesclar-se à paisagem urbana e ao mesmo tempo impactá-la através de uma presença poética de questionamento da realidade…”, adianta Vinicius Bustani. O término do ato poético se funde ao início do espetáculo que acontece aos pés da Cabocla do obelisco central da Praça do Campo Grande.

 

Sobre o FilteBahia 2017

 

A décima edição do Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia – FilteBahia 2017, celebra os dez anos do OCO TEATRO e coloca em cena em 11 espaços – dez em Salvador e um em Ilhéus – 20 espetáculos de artes cênicas (teatro, dança e performance), de grupos e artistas que chegam da Argentina, Chile, Uruguai e Bolívia, do Brasil – Ceará, São Paulo e que fazem arte na Bahia, em Salvador, Ilhéus e Lauro de Freitas. As apresentações, que acontecem a preços populares – R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia) e os espaços onde serão realizadas são : Passeio Público, Foyer do Teatro Castro Alves, palco principal do Teatro Castro Alves, Teatros Vila Velha, Teatros Gregório de Mattos, Martim Gonçalves, Molière, Xisto Bahia, Centro Cultural Plataforma e Espaço Cultural Barroquinha, em Salvador, na Tenda Popular de Ilhéus, em Ilhéus. O FilteBahia 2017 realiza também laboratórios-oficina e residências, o VI Colóquio Internacional Cênico da Bahia, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Ufba-PPGAC, . o NORTEA- Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste, a IV Plataforma Internacional Cênica da Bahia e  Os Encontros Dramaturgias . Organizado pelo Oco Teatro Laboratório, com a produção e realização da Carranca Produções Artísticas e Aude Produções, o Filte conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia através do projeto Eventos Calendarizados e da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

 

Ficha Técnica “Auto da Barca de Camiri”

 

Texto: Hilda Hilst

Direção: Erick Saboya e Vinicius Bustani

Dramaturgista: Edson Migracielo

Direção musical: Ian Cardoso

Treinamento de rua: Vanda Cortez

Produção de cenografia: Igor Liberato

Preparação corporal: Bia Simões, Carla Leite e Ariel Oliveira

Design de máscaras: Tiago Ribeiro

Elenco: Adriana Oliveira, Camila Castro, Iracema Vilaronga, Bruno Torres, Lavínia Alves, Milena Nascimento, Igor Nascimento, Renato Lessa, Gilberto Reys, Rodrigo Lélis, Lene Nascimento, Beatriz Almeida, Amanda Cervilho, Clara Romariz

Serviço

 

Espetáculo “Auto da Barca de Camiri” | Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia)

 

Na Praça do Campo Grande:
28, 29 e 30 de agosto, seg, ter e qua, 17h

Na rua, aberto ao público

 

No Passeio Público:

4, 5 e 6 de setembro, seg, ter e qua, 17h

Na rua, aberto ao público

Compartilhe essa postagem

Sem comentários

Acrescente o seu